O que você procura?

Cadastramento socioambiental chega às famílias da Ilha Bela

O cadastramento socioambiental que a Prefeitura de Belém está realizando nas áreas que serão atingidas pelas obras do Programa de Saneamento da Bacia da Estrada Nova – Promaben chegou nesta segunda-feira, 07.06, às famílias da Ilha Bela, uma das áreas mais pobres de Belém, localizada no bairro da Cremação.

A Ilha Bela é uma área aterrada que forma uma pequena ilha entre os canais da Avenida Generalíssimo e da Travessa Doutor Moraes, onde foram construídos barracos de madeira e palafitas há cerca de 30 anos, quando se iniciou o processo de ocupação.
Os 96 imóveis localizados na área serão visitados pelas equipes sociais do consórcio TPF/Synergia da Unidade Coordenadora do Promaben – UCP/Promaben, responsáveis pelo cadastramento social.

Nesta segunda-feira foi feita a mobilização social, ou seja, a população foi informada que as equipes do Social e da Engenharia irão entrar na área a partir desta terça-feira, 08.06 para aplicar o questionário social e posteriormente o cadastro físico que consiste no levantamento de todas as medidas para a confecção de uma planta baixa dos imóveis para avaliação do seu valor de mercado.

“Todo esse processo vai resultar num diagnóstico socioambiental, econômico e institucional que servirá se base para futuras intervenções na área. Os levantamentos que estão sendo feitos pelo Projeto Social do Promaben sobre os dados dos imóveis nortearão as ações de realocação e reassentamento das famílias”, explica a socióloga do Consórcio TPF/Synergia, Fátima Catunda.

Sobre o cadastramento socioambiental, Fátima Catunda destaca que “um dos aspectos importantes que a gestão do prefeito Edmilson Rodrigues presa muito é você estimular o envolvimento, a participação dessas pessoas atingidas pela poligonal do projeto e isso é um elemento importante do trabalho que o Promaben vem fazendo”.

Os moradores da Ilha Bela estão muito esperançosos agora, depois muito tempo de abandono do poder público em relação à situação da área. “Eles agora estão vendo que a gestão está comprometida em resolver a situação, estão dando confiança à gestão e isso é muito importante”, destaca Fátima Catunda.

O cadastramento socioambiental já foi concluído no trecho 1, que fica na Bernardo Sayão, entre Mundurucus e Fernando Guilhon, com cerca de 91 imóveis recadastrados, e no trecho dois que fica na Bernardo Sayão, entre Fernando Guilhon e a Quintino Bocaiúva, com aproximadamente 265 imóveis recadastrados.

Raimundo Sena
Jornalista DRT/PA 1277

Compartilhe esta notícia:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Notícias relacionadas: