Moradores aprendem a fazer sabão de óleo de cozinha na Cremação

Um litro de óleo de cozinha descartado irregularmente pode contaminar 25 mil litros de água, além de obstruir a tubulação de pias e esgotos. Com o objetivo de sensibilizar a população para a importância de se evitar o descarte irregular de óleo de cozinha, a Prefeitura de Belém, por meio do Programa de Saneamento da Bacia da Estrada Nova – Promaben, promoveu uma ação de sensibilização junto aos moradores da ilha Bela, no bairro da Cremação, na manhã desta terça-feira, 26/10, em parceria com a Secretaria Municipal de Saneamento – Sesan e a Faculdade Uninassau. Nesta quarta-feira será realizada uma oficina de Reaproveitamento de Óleo de Cozinha para fabricação de sabão, das 13h30 às 17h, na Escola Amílcar Tupiassu para 30 moradores da ilha Bela.

Voltada para moradores dos bairros localizados na área de influência do Programa, a oficina de Reaproveitamento de Óleo de Cozinha para fabricação de sabão, será ministrada pelo engenheiro Químico Fabrício Quadros e a engenheira Sanitarista, Miroslawa Luczynski, da Uninassau que é parceira nesta ação do Promaben, junto com a Sesan. A iniciativa é do Programa de Educação Ambiental e Sanitária do Projeto Social do Promaben com realização do Consórcio TPF/Synergia.

Para o subcoordenador Ambiental do Promaben, Alex Ruffeil “é preciso haver essa reeducação da população dos bairros atingidos pelas obras do Promaben para que eles deixem de jogar óleo no esgoto e assim poluindo os rios. A população irá aprender a resignificar o óleo de cozinha usado, transformando-o em sabão”.

João Gonçalves, 47, agente ambiental da Sesan, considera “muito importante a reciclagem porque o óleo de cozinha deixa toda aquela gordura no esgoto e causa um transtorno enorme quando chove, entope tudo. Então é uma das mais importantes a coleta do óleo de cozinha tanto na questão da qualidade da água quanto na preservação dos nossos canais”.

“O trabalho que o Promaben vem executando é muito importante porque orienta a população. Muito fazem o descarte inadequado por falta de conhecimento, não sabem o mal que causam ao meio ambiente, destaca Rui Cesar Carneiro, estudante de Engenharia Ambiental da Uninassau.

A autônoma Érica Kzan, 53, acha “maravilhoso o que vocês estão fazendo para o lixo não ficar jogado, uma coisa bem organizada para não poluir.

Num terceiro momento do curso, cinco participantes da oficina farão uma visita à Uninassau, onde aprimorarão seus conhecimentos fabricando sabão a partir do óleo de cozinha. Todo o sabão produzido durante a oficina e na Uninassau será destinado a instituições de caridade sem fins lucrativos.